Com avanço do coronavírus, Santa Casa BH se prepara para dobrar leitos de UTI

0
Santa Casa BH vai ampliar de 50 para 100 o número de leitos de UTI para pacientes com Covid-19

De segunda-feira (15) até sexta-feira (19), Belo Horizonte registrou 392 novos casos e  27 óbitos. Por dia, pelo menos 78 pessoas testaram positivo e cinco morreram. O avanço acendeu um alerta para o sistema de saúde e, até o fim de junho, a prefeitura pretende contratar mais 61 leitos. A contratação já começou. Na semana passada, a pedido da PBH, a Santa Casa aumentou de 40 para 50 o número de leitos de UTI, e se prepara para abrir outras vagas de terapia intensiva nos próximos dias.

A enfermaria também está ganhando reforço. Já nesta segunda-feira (22), serão mais 17 vagas, e, na quarta-feira (24), outras 29. “Até o início de julho, vamos inaugurar uma nova ala com 49 leitos para pacientes com Covid”, anuncia a superintendente de serviços hospitalares da Santa Casa BH, Mara Moura. Essa nova ala teve investimentos de R$ 5 milhões, que vieram de doações. E, junto com a expansão das UTIS, vai gerar cerca de 200 contratações entre médicos e enfermagem.

Hoje, a Santa Casa tem 182 leitos para Covid-19, mas tem capacidade para oferecer 692. “Só nas UTIs, temos planos de elevar das atuais 50 para 100, de acordo com a demanda”, esclarece Mara. A superintendente explica que, seja por meio da construção ou remanejamento de leitos que já existem, o hospital vai disponibilizando as novas vagas, a partir das solicitações da Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo Mara, dois gatilhos são determinantes para aumentar os leitos. “Nós olhamos a taxa de ocupação das UTIs e o percentual de pacientes intubados. Quando esses indicadores estão acima de 70%, já é um gatilho”, explica a superintendente. Ela lembra que, em março e abril, apenas 5% dos pacientes internados tinham confirmação para Covid e, agora, subiu para 20%.

No último domingo (21), a ocupação dos leitos de UTI na Santa Casa estava em 98%. “Quando a pandemia começou, essa taxa girava entre 30% e 40%. Há quatro semanas, ela estava entre 80% e 90%. Agora, está aumentando e se mantendo elevada”, afirma Mara, justificando a necessidade de preparar mais vagas.

Os dados divulgados pelo boletim epidemiológico da Prefeitura de Belo Horizonte são monitorados diariamente, para definir as ações. A média de ocupação das UTIs vem disparando. Há um mês, 46% dos leitos de terapia intensiva estavam ocupados. Na última sexta-feira (19), dado mais recente, já estava em 78%.

Nesse intervalo, a prefeitura ampliou o total de vagas do SUS-BH de 220 para 280. Até o fim de junho, o número pode chegar a 341. Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde explica a abertura de novos leitos acontece de acordo com a necessidade e vem sendo realizada, não somente na Santa Casa, mas em todos os hospitais da rede. Atualmente, 15 hospitais da rede SUS-BH ofertam leitos de UTI exclusivos para atendimento aos casos de Covid no município.

Santa Casa será dividida em dois hospitais

Para dar conta de atender bem a demanda da Covid-19, sem deixar de lado os demais serviços, a Santa Casa BH será dividida em duas unidades, com entradas separadas. De um lado, o hospital respiratório vai contar com três altas (B, C e D) para atendimento ao novo coronavírus. De outro, ficará o hospital geral (ala A), que dará continuidade ao tratamento nas 35 especialidades médicas.

Ao todo, a Santa Casa vai ganhar mais 250 vagas e passará a ofertar 1.220 leitos. Desses, 692 serão no hospital respiratório, sendo 100 leitos de terapia intensiva, e 528 para o hospital geral.

Com orçamento de R$ 5 milhões, as obras de reestruturação das duas unidades receberam recursos de doadores como a Localiza (R$ 635 mil), o Banco (R$ 1 milhão), o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (R$ 2,1 milhões), da JBS (R$ 300 mil), da  Direcional Engenharia (R$ 500 mil), entre outras empresas. A ArcelorMittal doou 2.000 face shields. 

De acordo com o diretor de assistência à saúde da Santa Casa BH, Guilherme Riccio, o objetivo da divisão é deixar o ambiente mais seguro. “Precisamos atender os casos suspeitos e confirmados de Covid-19 e dar continuidade ao tratamento das demais especialidades. Quem faz tratamento oncológico, de hemodiálise ou tem outros tipos de doenças crônicas que necessitam de acompanhamento não pode esperar”, afirma Riccio.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui