Galo, Fred e Cruzeiro saberão até dia 29 de setembro se multa deverá ser paga

0

A sentença final já tem data definida para acontecer. Não especificamente um dia, mas entre 27 de julho até 27 de setembro, Atlético, Fred e Cruzeiro saberão se a multa de R$ 10 milhões deverá ser paga ou não.

E, pelo menos, no processo arbitral, já que o jogador entrou com ação na Justiça do Trabalho, tentando anular o processo arbitral, fato que ainda não conseguiu, já que teve liminar negada.

Até aqui, o Atlético vem comemorando vitórias em cada instância do processo. Nessa última quarta-feira (24), o clube soube, em audiência realizada, que o julgamento final do caso está marcado para, a partir do dia 27 de julho, qualquer data dentro de 60 dias corridos.

Entenda o caso

Ao acertar a rescisão do contrato com Fred, no dia 22 de dezembro de 2017, o Atlético-MG impôs uma condição: se o jogador fosse para o Cruzeiro, deveria pagar uma multa de R$ 10 milhões. Atleta e representantes aceitaram o acordo. Quando assinou com o Cruzeiro, no dia seguinte, o atacante notificou o clube sobre a existência da multa, por meio de um documento, e deixou claro que só aceitaria assinar contrato caso a Raposa assumisse a dívida. Ciente da situação, a diretoria celeste contratou Fred e se responsabilizou pelo pagamento do valor.

A multa deveria ter sido paga no dia subsequente à publicação do contrato do jogador com o clube celeste no BID, da CBF, o que ocorreu no dia 16 de janeiro. Porém, não houve o depósito em 17 de janeiro. A diretoria cruzeirense decidiu levar a avaliação da multa para o departamento jurídico. O Atlético-MG ingressou com uma ação na Câmara Nacional de Resolução de Disputas, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), cobrando de Fred o pagamento da multa de R$ 10 milhões. A câmara avaliou como válido o pagamento da multa.

O jogador entrou com processo trabalhista contra o Atlético e, na ação, pediu suspensão do processo arbitral através de liminar. Porém, Fred teve a liminar negada e o os processos, tanto arbitral quanto o da Justiça do Trabalho prosseguem.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui