Devoto de Hitler, candidato tinha suástica em piscina e batizou o filho de Adolf

0
Em 2014, Polícia Civil flagrou a cena, que correu o país

Wandercy Antonio Pugliesi, de 58 anos, concorre pela primeira vez ao cargo de vereador de Pomerode, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina, neste ano. Conhecido como Professor Wander, do Partido Liberal (PL), o docente universitário de história já esteve nos holofotes algumas vezes, e foi por algo nada agradável.

Ele virou assunto nacional quando, em dezembro de 2014, um policial civil flagrou, de dentro de um helicóptero, uma suástica, símbolo nazista, no fundo da piscina de sua propridade na cidade. Na época, o órgão disse que o professor não seria enquadrado porque ele não faz nenhum tipo de apologia publicamente.

Após o episódio, outras situações vieram à tona. Em 1994, Pugliese teve apreendidos pela polícia materiais relacionados ao nazismo, como livros, revistas, fotografias, gravuras do exército alemão, objetos com a suástica e uma camiseta estampada com a imagem de Adolf Hitler, líder do partido alemão.

Conforme o portal R7, naquele ano, ele se declarou admirador da ideologia nazista, mas disse que todos os objetos faziam parte de uma coleção pessoal destinada a estudo. Ele chegou a ser denunciado pelo crime de racismo, mas a ação foi arquivada.

O professor pediu de volta os materiais, que foram apreendidos a pedido do Ministério Público Federal (MPF), porém, em 2001, a Justiça Federal negou.

No dia 30 de julho de 1995, o jornal Zero Hora, de Porto Alegre, estampou em sua capa uma reportagem com Wandercy. Nela, ele mostrava sua coleção, como um pôster de Hitler. O personagem da matéria foi considerado como um dos “neonazistas do fim do milênio”.

No ano anterior, em fevereiro de 1994, ele apareceu em uma reportagem do Fantástico, da TV Globo, mostrando sua coleção.

Sua história saiu até em uma reportagem da revista Superinteressante, com diversos relatos, contando mais detalhadamente sua relação com a ideologia que, se defendida e propagada no Brasil atualmente, é passível de crime. Nela, consta que o postulante a vereador batizou seu filho de Adolf Roders Pugliesi.

O rapaz se formou cadete na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em 2015, e, hoje em dia, é segundo tenente do Exército e atua num Regimento no oeste de Santa Catarina.

Crime

Segundo a lei 7.716/89, atualizada em 1997, é crime federal fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo. A pena é prisão de dois a cinco anos e multa.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui