Mulher tem revestimento do cérebro perfurado em teste com cotonete para Covid-19

0
Pessoas que passaram por uma cirurgia extensa nos seios da face ou na base do crânio devem considerar a solicitação de um teste oral

Um teste de swab nasal para a Covid-19 perfurou o revestimento do cérebro de uma mulher nos EUA, fazendo com que o fluido vazasse pelo seu nariz e a colocasse em risco de desenvolver uma infecção fatal, relataram médicos em um jornal especializado nesta quinta-feira (1º).

A paciente, que tem cerca de 40 anos, apresentava uma condição rara não diagnosticada – além de que o exame pode ter sido realizado de forma inadequada -, uma sequência de eventos improváveis que faz com que o risco dos exames nasais continue sendo baixo. 

No entanto, seu caso mostrou que os profissionais de saúde devem ter o cuidado de seguir os protocolos do teste, disse à AFP Jarrett Walsh, principal autor do artigo publicado no periódico científico JAMA Otolaryngology – Head & Neck Surgery.

Se possível, pessoas que passaram por uma cirurgia extensa nos seios da face ou na base do crânio devem considerar a solicitação de um teste oral, acrescentou. 

“Isso ressalta a necessidade de treinamento adequado de quem realiza o teste e a necessidade de vigilância após a realização do mesmo”, acrescentou o especialista em ouvido, nariz e garganta Dennis Kraus, do Hospital Lenox Hill em Nova York, que não esteve participou do estudo. 

Walsh, que atende no Hospital da Universidade de Iowa, disse que a mulher havia feito um teste nasal antes de uma cirurgia eletiva de hérnia, e depois notou um fluido claro saindo de um lado do nariz.

Pouco tempo depois, ela começou a ter dor de cabeça, vômitos, rigidez de nuca e sensibilidade à luz, e foi levada aos cuidados de Walsh. 

“Ela havia sido submetida ao swab anteriormente para outro procedimento, do mesmo lado, sem problemas. Ela considera que talvez o segundo teste não tenha usado a melhor técnica e que a entrada estava um pouco alta”, informou o médico. 

A mulher havia sido tratada anos antes de hipertensão intracraniana – o que significava que a pressão do líquido cefalorraquidiano que protege e nutre o cérebro era muito alta.

Na época, os médicos usaram um implante para drenar parte do fluido e a condição foi resolvida. 

Porém, fez com que ela desenvolvesse o que é chamado de encefalocele, ou um defeito na base do crânio que fazia o revestimento do cérebro projetar-se para o nariz, onde era suscetível a uma ruptura. 

Isso passou despercebido até que antigos exames foram analisados por seus novos médicos, que realizaram uma cirurgia para reparar o problema em julho. 

A paciente já se recuperou totalmente.

Walsh disse acreditar que os sintomas que ela desenvolveu foram resultado de irritação no revestimento do cérebro. 

Se o problema não tivesse sido tratado, ela poderia ter desenvolvido uma infecção cerebral potencialmente fatal, causada por uma bactéria que subisse pelo nariz.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui