PIB: economia do Brasil tem contração de 4,1% em 2020 sob impacto do coronavírus

0
O Produto Interno Bruto do Brasil despencou 4,1% em 2020, depois de crescimento de 1,4% em 2019, na maior queda desde o início da série histórica do IBGE iniciada em 1996 

Via Money Times

economia brasileira registrou em 2020 a maior contração em 24 anos sob o impacto das medidas de contenção ao coronavírus, terminando o ano com perda de força e diante de um pano de fundo de incertezas.

Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil despencou 4,1% em 2020, depois de crescimento de 1,4% em 2019, na maior queda desde o início da série histórica do IBGE iniciada em 1996.

O resultado informado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira interrompe três anos de crescimento, quando o PIB acumulou alta de 4,6%. Mas foi melhor que a projeção oficial do Ministério da Economia, de uma queda de 4,5% em 2020.

De acordo com o IBGE, antes de 1996 a metodologia para cálculo do PIB era outra, e se considerados esses resultados, a contração de 2020 seria a terceira pior desde 1962, atrás de 1990 e 1981.

Entretanto, o ritmo de recuperação da economia diante da pandemia mostrou perda de força no final do ano passado. No quarto trimestre, o PIB apresentou expansão de 3,2% sobre os três meses anteriores.

O desempenho foi melhor que a expectativa em pesquisa da Reuters de crescimento de 2,8%, depois de uma expansão recorde de 7,7% no terceiro trimestre.

“No ano de 2020 a economia foi completamente afetada pela pandemia e por suas consequências”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

“O patamar do PIB no quarto trimestre é equivalente ao fim de 2018 e início de 2019. Estamos 1,2% abaixo do ritmo da economia na pré-pandemia”, completou ela.

No primeiro trimestre a economia apresentou retração de 2,1%, despencando 9,2% entre abril e junho, quando as medidas de contenção contra o coronavírus paralisaram a atividade no país.

Depois de atingir o fundo do poço em abril com a quarentena, o ritmo de recuperação passou a ganhar força no final do segundo trimestre.

Entretanto, novas medidas em todo o país que voltaram a fechar empresas e o número constantemente alto de casos e mortes pela Covid-19 voltaram a pesar sobre a atividade.

A lenta recuperação da pandemia fica evidente no recuo de 1,1% do PIB no quarto trimestre na comparação com o mesmo período de 2019, contra expectativa de uma queda de 1,6% nessa base de comparação.

Serviços

Em 2020, somente a Agropecuária apresentou sinal positivo, com crescimento de 2,0%, puxada pela soja (7,1%) e café (24,4%), que tiveram produções recordes na série histórica.

Ainda do lado da produção, o setor de Serviços, que tem o maior peso na economia e foi o mais afetado devido à sua dependência do contato social, teve recuo de 4,5%.

Serviços ainda é o setor que mostra mais dificuldades para retornar ao nível pré-panemia. O menor resultado no setor veio de outras atividades de serviços (-12,1%), que são os restaurantes, academias, hotéis.

 
Já a Indústria apresentou queda de 3,5% no ano passado, sendo que somente a construção despencou 7,0%. Somados, serviços e indústria representam 95% da economia nacional.

Do lado das despesas, os gastos das famílias sofreram as maiores perdas no ano, de 5,5%, resultado mais baixo da série histórica, diante da piora no mercado de trabalho e o distanciamento social.

As despesas do Governo caíram 4,7%, também um recorde com fechamento de escolas, universidades, museus e parques, enquanto a Formação Bruta de Capital Fixo, medida de investimento, teve queda de 0,8%

Em relação ao setor externo, as Exportações de Bens e Serviços tiveram queda de 1,8%, enquanto as Importações encolheram 10,0%

Já o quarto trimestre teve como destaques as expansões de 2,7% de Serviços e 1,9% da Indústria na comparação com os três meses anteriores. Por outro lado a Agropecuária encolheu 0,5%.

Do lado das despesas, a Formação Bruta de Capital Fixo disparou 20,0% no período, enquanto as Despesas das Famílias cresceram 3,4% e as do governo aumentaram 1,1%

 

 

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui