Homem que teve carro pichado com a palavra ‘macaco’ registra novo boletim de ocorrência por injúria racial, em Teófilo Otoni

0
Após ter o carro pichado, uma mulher esteve no local de trabalho dele e o chamou de ‘preto’ e ‘macaco’

Via G1 Vales de Minas Gerais

Quase dois dias após ter o carro pichado com a palavra “macaco”, o lavador de veículos, Lucas Esteves, registrou um novo boletim de ocorrência por injúria racial nesta segunda-feira (26), em Teófilo Otoni (MG).

De acordo com ele, uma mulher esteve no local onde ele trabalha, apontou para o veículo e o chamou de “macaco” e “preto”.

“Adentrou no meu estabelecimento uma senhora muito revoltada, gritando histericamente e falando palavras sem nexo, apontando para o meu carro e falando que eu era preto, negro, macaco e que por isso estava escrito aquilo no meu carro. É uma coisa inexplicável”, lamentou.

A vítima afirmou que não conhece a mulher, mas que ele o irmão dela são muito amigos.

“Eu sequer conheço pessoalmente essa pessoa, conheço o irmão dela que é muito meu amigo. É revoltante o que essa pessoa fez comigo, é revoltante saber que existem pessoas assim como ela”, disse.

Lucas contou ainda que não sabe o motivo da suspeita ter tomado essas atitudes e que, ao final, ela ainda o ameaçou.

“Ao sair do lavador ela falou que ia destruir com minha vida, me ameaçou de descer do veículo e me rasgar na unha, de estar me esfaqueando, causando injúria novamente, apontando para o meu veículo falando que eu era preto, que eu era macaco e que eu merecia tudo aquilo”, finalizou.

A Polícia Militar já identificou a mulher e segue em rastreamento para prendê-la em flagrante.

Carro pichado

Carro foi pichado com a palavra ‘macaco’ em Teófilo Otoni — Foto: Redes Sociais

Na manhã desse sábado (24), Lucas encontrou o seu carro pichado com a palavra “macaco”, tanto na lateral quanto no capô do veículo, uma Brasília de 1978. O carro estava estacionado na porta da casa da vítima.

“Infelizmente, no Brasil, ainda existem pessoas que fazem isso, sabe lá Deus o porquê. Não tenho inimigo, não sei quem foi”, lamentou.

O crime aconteceu no bairro Dr. Laerte Laender. A polícia investiga o caso e, agora, pode ter a mulher como suspeita.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui