Março se torna o mês mais trágico da pandemia em Montes Claros; com base nos dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde

0
Profissionais de saúde da Santa Casa de Montes Claros em campanha realizada em 2020. — Foto: Santa Casa de Montes Claros / Divulgação

Via G1 Grande Minas

Março foi o mês mais trágico da pandemia em Montes Claros. Com base nos dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde, o G1 fez um comparativo do número de casos e mortes em 2020 e 2021. Até esta quarta-feira (31), 26.824 pessoas testaram positivo para a Covid-19 e 568 faleceram.

Esta reportagem está sendo publicada no dia em que a primeira morte por coronavírus ocorreu na cidade. Vítima da doença, Cláudio Manoel Ricardo faleceu em 1º de abril, mas a confirmação da causa do óbito veio em 5 de abril. Esse foi também o primeiro caso oficialmente reconhecido pela Prefeitura.

Segundo familiares, Cláudio tinha viajado para São Paulo e retornou em 16 de março. Na madrugada do dia 17, começou a sentir os primeiros sintomas. O idoso, de 69 anos, precisou ser intubado e não resistiu à doença. O filho afirmou que ele não possuía comorbidades e tinha acabado de fazer um check-up.

Desde o primeiro registro, o número de casos começou a aumentar gradativamente e foi seguindo a mesma lógica do país, com o pico em agosto/setembro de 2020. Nesses dois meses juntos, 6.574 pessoas testaram positivo para a doença em Montes Claros.

Mas março chegou trazendo indícios de que a situação epidemiológica estava piorando. No dia 13, a secretária de Saúde, Dulce Pimenta, chegou a dizer que “se continuarmos com essa velocidade de transmissão, a projeção é termos mais de 5 mil casos só no mês de março.”

 

O número de infectados foi ainda ainda maior do que o previsto pela secretária, 7.968. Isso significa que, em média, 257 pessoas foram contaminadas a cada dia. Ainda em março, foi registrado o recorde de casos em 24 horas durante toda a pandemia, 561.

Sobre o total de casos confirmados:

  • A faixa etária com a maior quantidade é a de 40 a 59 anos, com 8.854
  • O Independência é o bairro com o maior número de pessoas infectadas, são 826
  • Do total de casos positivos, 1.346 são de profissionais da saúde.

Variante P.1, superlotação e falta de insumos

Ao verificar o aumento expressivo dos pacientes positivos, o município começou a considerar que uma nova cepa estava em circulação. Em 19 de março, Dulce Pimenta confirmou que a variante brasileira P.1, identificada primeiro em Manaus (AM), foi detectada na amostra de um paciente de Montes Claros. O material foi coletado em 4 de fevereiro.

 

Estudos apontam que a P.1 é mais transmissível por causa mutações que sofre na região em que o vírus usa para infectar as células humanas. Não há comprovação científica de que a variante seja mais letal. 

 
“Uma das características dessa cepa é a alta transmissibilidade. Ela transmite muito mais do que o vírus que tínhamos no ano passado. Uma consequência disso vai ser o número maior de pessoas infectadas se as pessoas não tomarem todas as medidas de prevenção que a gente já conhece.”

Com o número de casos crescendo e o agravamento dos quadros clínicos, houve alta na demanda por leitos de UTI. No mesmo dia em que anunciou a confirmação da variante, Dulce Pimenta também falou que 33 pessoas estavam aguardando por um leito desse tipo. O G1 questionou sobre qual foi o maior número de pacientes nessa fila, mas não teve resposta até o momento.

Referência em leitos para 95 municípios, Montes Claros chegou a suspender a internação de pacientes oriundos de outras localidades. Com a superlotação, os hospitais da cidade precisaram acionar planos de contingência e suspenderam o atendimento de casos suspeitos e confirmados de coronavírus.

Além do problema da superlotação, as autoridades de saúde tiveram que criar estratégias para evitar a falta de oxigênio e para repor os medicamentos do “kit intubação”, que já estavam em falta no hospitais e são indispensáveis para o tratamento de casos mais graves da Covid-19. Sem os remédios, as unidades de saúde afirmaram que seria difícil dar continuidade à prestação do serviço.

Óbitos

E o mês de março trouxe o luto para as famílias de 271 vítimas, a média foi de 8,74 mortes/dia. Para se ter uma ideia do que isso representa, somando todos os outros meses de 2020 e 2021, 297 pessoas não resistiram ao coronavírus. Até então, o maior número de óbitos tinha sido registrado em agosto e setembro, 56 e 55, respectivamente.

Das 568 pessoas que faleceram em um ano:

  • 495 tinham comorbidades, sendo cardiopatia, diabetes e hipertensão as mais comuns
  • Apesar das mulheres serem maioria no número total de casos, 14.633, são os homens que mais morrem por Covid-19 em Montes Claros, eles representam 59,3% dos óbitos
  • A faixa etária acima de 60 anos é a que mais registra mortes, 406
  • 19 pessoas morreram em casa, não há informações se elas buscaram ou não por atendimento médico

Em 16 de março, a secretária foi enfática ao dizer que, com a capacidade hospitalar esgotada, “muitos [pacientes] moderados e até graves estão procurando as Unidades Básicas de Saúde”. Não há confirmação de mortes por falta de leitos em Montes Claros.

Restrições e vacinação

Enquanto os números não abaixam, Montes Claros segue com várias restrições. Em 6 de março, o governador de MG anunciou que a região Norte foi inserida na “onda roxa” do Programa Minas Consciente, que regulamenta a flexibilização das atividades no estado durante a pandemia. Com isso, houve o fechamento do comércio não essencial, toque de recolher e restrição de circulação de pessoas.

Antes da decisão do Governo de MG, em 3 de março, a Prefeitura já tinha determinado medidas mais rígidas de enfrentamento à Covid-19, como proibição da venda de bebidas alcoólicas e restrição na circulação de pessoas e veículos. Após ser inserida na fase mais rigorosa do Minas Consciente, o município publicou decretos reforçando as regras.

Se por um lado, março foi o mês mais trágico da pandemia, também trouxe esperança, com a intensificação da vacinação. Após o Ministério da Saúde orientar que todas as doses de vacinas sejam aplicadas, sem necessidade de reservar a segunda dose, o município já está imunizando idosos com mais de 69 anos. Dados do vacinômetro, extraídos nesta quarta, apontam que 30.368 doses foram aplicadas no total.

 

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui