Crimes cometidos por crianças e adolescentes caem 29% em Montes Claros

0
Tráfico de drogas é o crime mais cometido entre menores infratores em Montes Claros — Foto: Paula Alves/Inter TV Grande Minas

Via G1 Grande Minas 

A criminalidade envolvendo crianças e adolescentes em Montes Claros caiu 29%, segundo dados da Polícia Militar. A queda considera os anos de 2019 e 2020. O número de ocorrências registradas pulou de 1.034 para 740.

Analisando o primeiro semestre de 2021, em comparação com o mesmo período do ano passado, a diminuição é de 6%.

O comandante do 10º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Giovane Rodrigues de Oliveira, explica que a integração entre os órgãos que compõem a justiça criminal é um dos principais fatores para os índices positivos.

“A interação entre as Polícias Militar e Civil, o Ministério Público e o Judiciário tem proporcionado respostas eficientes. Na cidade, nove autores são presos em flagrante a cada 10 crimes que ocorrem. Isso desestimula àqueles que querem delinquir. O senso de impunidade, que é um grande motivador da criminalidade, passa a existir em menor proporção e o sistema fica harmonioso”.

De acordo com o balanço da PM, os principais crimes cometidos por menores infratores, de janeiro a julho deste ano, foram:

  1. tráfico ilícito de drogas
  2. ameaça
  3. lesão corporal
  4. vias de fato/agressão
  5. furto
  6. uso e consumo de entorpecentes
  7. receptação
  8. roubo

“O tráfico de drogas continua sendo o crime mais cometido por esse público e isso se deve a uma falta de estrutura pública adequada e efetiva para prevenção. E para piorar a situação, recentemente, a ONU publicou um artigo chamando a atenção para o fato de que, durante a pandemia, houve um acréscimo no consumo de entorpecentes. O problema é mais complexo do que se pensa e exige esforços conjuntos”, fala o tenente-coronel.

Para o militar, apesar do cenário positivo em Montes Claros, lidar com a delinquência infanto-juvenil ainda é um desafio no Brasil. Ele cita, como exemplo, a falta de vagas nos centros de recuperação e as medidas socioeducativas, que, na opinião dele, se limitam, na maioria delas, a aconselhamentos verbais.

“Nós temos uma das legislações mais modernas sobre o assunto. No entanto, a legislação exige que o Estado se organize para fazer as intervenções que a lei prevê. E o Estado não se preparou para isso. Nós temos uma justiça muito bonita no papel, mas, na prática, falta condições para dar respostas aos delinquentes”, finaliza.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui