Em Janaúba, dono de clínica é investigado por atuar como falso veterinário: ‘Animais morreram por causa de cirurgias mal feitas’

0
Polícia encontrou animais amarrados em um espaço usado como sala de recuperação — Foto: Polícia Civil/ Divulgação

O dono de uma clínica é investigado por maus-tratos a animais e por atuar ilegalmente como médico veterinário em Janaúba, no Norte de Minas. De acordo com a Polícia Civil, o falso médico é suspeito de realizar procedimentos cirúrgicos que resultaram em complicações de saúde, mutilações e até a morte dos animais.

“As investigações começaram após denúncias dos donos dos animais e de veterinários da cidade. Ouvimos várias vítimas que relataram que as cirurgias foram feitas pelo homem e em alguns casos, os animais morreram decorrentes dos procedimentos mal feitos”, explicou a delegada Glênia Balieira Torres Aquino.
Procedimentos cirúrgicos eram feitos pelo dono da clínica suspeito de atuar como falso médico — Foto: Polícia Civil/ Divulgação

Ainda de acordo com a delegada, um médico veterinário responde pela clínica, porém o proprietário também realizava os atendimentos. A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão no estabelecimento, nessa quarta-feira (29), e encontrou quatro diplomas de cursos superiores em áreas diversas com indícios de falsificação.

 
“Todos os diplomas eram de faculdades diferentes e foram emitidos no mesmo período. O diploma de médico veterinário era de uma universidade onde se quer existe o curso na grade curricular”.

A polícia também apreendeu medicamentos com a data de validade vencida e prontuários de atendimentos de animais dos anos de 2019 e 2020. A ação foi acompanhada pela Vigilância Sanitária e pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária. Todos os materiais apreendidos serão periciados.

Polícia apreendeu medicamentos vencidos — Foto: Polícia Civil/ Divulgação

A delegada informou que o homem não foi encontrado na clínica e deve ser ouvido na delegacia nesta quinta-feira (30). As investigações continuam e se comprovada as irregularidades, ele pode responder por falsificação de documentos públicos, maus-tratos a animais e exercício irregular da profissão, com pena prevista de até seis anos.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui