PM prende quatro suspeitos de estelionato e apropriação indébita em Montes Claros; vítima teve prejuízo de R$ 80 mil

0
Material apreendido pela PM — Foto: Polícia Militar / Divulgação

A Polícia Militar prendeu quatro suspeitos de estelionato e apropriação indébita em Montes Claros (MG) nesta quinta-feira (30). As informações são de que eles teriam causado um prejuízo de pelo menos R$ 80 mil a uma vítima.

Foram apreendidas folhas timbradas em branco e carimbos de cartórios de vários municípios. A suspeita é de que o material seria para a confecção e autenticação de documentos falsos usados para aplicar golpes.

O sargento Fabrício Ferreira explica que, inicialmente, a vítima tinha um acordo com um dos presos. Ela possuía um CNPJ que seria usado para que fizessem compras. As mercadorias seriam revendidas e o lucro seria dividido.

“No decorrer da parceria ela começou a desconfiar, já que não estava tendo retorno. Ao se informar, constatou que o CNPJ estava sendo usado e que muitas compras tinham sido feitas sem que ela tivesse ciência”.

O sargento fala também que como as compras eram realizadas com os dados da vítima, caberia a ela a responsabilidade de realizar o pagamento para as empresas fornecedoras. A PM fala que, a partir da parceria com a mulher, o homem foi atrás de outras pessoas para continuar aplicando o golpe.

“Dos quatro presos, três têm passagens por estelionato. Um deles é especialista nesse tipo de crime. Ele mora em um condomínio e tem carro, ao ser questionado disse que o custeio dessas despesas era proveniente dos golpes.” As folhas e os carimbos de cartório estavam na casa desse homem.

Além dos quatro presos, a PM ainda fez uma quinta prisão por receptação. O homem foi conduzido por comprar jogos de mesa adquiridos por meio da fraude.

Os policiais apreenderam ainda R$ 20 mil em roupas, caixas de álcool em gel, cabos utilizados na construção civil. Foram encontradas ainda notas fiscais das compras fraudulentas e um carro, usado para o transporte das mercadorias.

“O delegado autorizou que as mercadorias fossem restituídas à vítima. Ela também descobriu que haveria outras cargas para chegar e vai fazer contato com a transportadora para fazer a retirada do material”, finaliza Fabrício Ferreira.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui