Biden se aproxima da Casa Branca, mas contagem de votos prossegue; acompanhe

0
Disputa entre Biden e Trump vai caminhando para a decisão

Biden acumula 264 votos no Colégio Eleitoral, seis a menos que os necessários para vencer, e Trump 214, depois que os democratas venceram em dois estados-chave na quarta-feira: Michigan e Wisconsin. 

Após uma campanha marcada pela intensa polarização, assim como  pandemia de covid-19, a crise econômica e os protestos, os americanos aguardam o lento avanço da contagem de votos em cinco estados: Alasca (3 votos no Colégio Eleitoral), Geórgia (16), Carolina do Norte (15), Nevada (6) e Pensilvânia (20). 

Trump, 74 anos, deixou claro que não aceitará a derrota sem questionar o resultado.

“Vencemos a eleição”, declarou em um discurso na Casa Branca ainda na madrugada de quarta-feira, quando denunciou “fraude”. 

A campanha de reeleição do republicano apresentou recursos em Michigan, Pensilvânia e Geórgia e pediu uma recontagem em Wisconsin.

Apesar de Biden, 77 anos, estar mais próximo do número de votos necessário para ser declarado vencedor, Trump ainda tem chances e os Estados Unidos vivem uma situação que não era registrada desde a eleição de 2000, uma disputa em que os resultados tampouco foram conhecidos poucas horas depois do fechamento das urnas, como é habitual.

Como aconteceu em 2016 com Hillary Clinton, Biden pode vencer no voto popular e perder a eleição se não conquistar os votos necessários no Colégio Eleitoral. 

O número mágico é 270, de um total de 538 do Colégio Eleitoral, o sistema americano de sufrágio universal indireto.

“PACIÊNCIA”

Sem declarar vitória, Biden afirmou na tarde de quarta-feira que tem confiança em conquistar a presidência de destacou que “cada voto deve ser contado”, em um breve discurso em seu reduto de Wilmington, Delaware.

O coordenador de uma missão internacional de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) criticou as “acusações sem fundamento” de Trump e disse que estas “minam a confiança” nas instituições democráticas.

A apuração prossegue após uma eleição com nível de participação recorde e uma grande votação antecipada, tanto por correio como presencial. 

De acordo com o US Elections Project da Universidade da Flórida, 160 milhões de pessoas votaram nas eleições americanas, mais de 101 milhões delas de maneira antecipada. O número representa uma taxa de participação de 66,8%, contra 59,2% em 2016.

O país não vivia esta incerteza desde 2000, quando a disputa entre o republicano George W. Bush e o democrata Al Gore foi decidida na Suprema Corte a favor do primeiro.

Em estados como Nevada e Pensilvânia pode ser necessário esperar até sexta-feira, pelo volume de cédulas que ainda não foram contadas. Na Geórgia a disputa também está muito acirrada.

A eleição pode ser decidida na Pensilvânia, onde Trump tem uma vantagem que está diminuindo à medida que os votos de distritos tradicionalmente democratas são contados.

O governador da Pensilvânia, o democrata Tom Wolf, pediu “paciência” e prometeu que todos os votos serão contados da maneira correta. 

Mas se a apuração terminar na justiça, como em 2000, o resultado pode demorar semanas, afirmou à AFP Ed Foley, especialista em direito eleitoral da Universidade Estadual de Ohio.

Nas eleições, os democratas conservaram a maioria na Câmara de Representantes, mas as expectativas de retomar dos republicanos a maioria no Senado são mínimas.

No Senado, os democratas conseguiram até agora duas cadeiras que estavam em poder dos republicanos (Colorado e Arizona). Os republicanos – que na atual legislatura controlam 53 das 100 cadeiras – conseguiram conquistar uma vaga que era democrata no Alabama.

DETENÇÕES EM PORTLAND

Em Portland, um dos epicentros da onda de manifestações antirracistas e contra a brutalidade policial este ano, um protesto terminou com oito detidos.

“Queremos Trump fora da presidência, este é o principal objetivo”, gritou um dos manifestantes.

Em Nova York, milhares de partidários de Biden participaram em uma passeata na Quinta Avenida para exigir “a contagem de cada voto”, com direito a cartazes com frases como “Impeçam Trump de roubar a eleição”.

Em Detroit, os simpatizantes de Trump pediram a interrupção da apuração no estado do Michigan, em um protesto marcado por tensão diante de um centro eleitoral.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui