Homem é preso por suspeita de injúria após chamar funcionário de rede de fast-food de ‘macaco’ em Belo Horizonte

0
ViaShopping Barreiro, em Belo Horizonte — Foto: ViaShopping/Divulgação

Um homem foi preso depois de ofender o funcionário de uma rede de fast-food nesta segunda-feira (23), na Região do Barreiro, em Belo Horizonte. De acordo com o boletim de ocorrência, o trabalhador foi chamado de “viado” e de “macaco” após avisar que não possuía troco para uma nota de R$ 100.

A Polícia Civil de Minas Gerais informou, nesta terça-feira, (24), que o suspeito foi autuado em flagrante por injúria e encaminhado ao sistema prisional. Foi arbitrada fiança, mas ele não pagou.

Durante patrulhamento preventivo na região, uma equipe da Guarda Municipal foi parada pela vítima, que relatou o caso e avisou que o cliente estava fugindo do local em um táxi. Os guardas conseguiram parar o carro e conduzir o suspeito até a delegacia.

 

O atendente do Burger King, que fica no ViaShopping Barreiro, relatou no boletim de ocorrência da Polícia Civil que o homem estava na fila e que, após fazer o pedido, foi informado de que não havia troco para R$ 100 no caixa.

Ainda segundo o boletim, o cliente, então, “saiu da fila e foi em direção aos seus colegas e começou a dirigir ameaças e palavras com ofensas raciais, tais como ‘viado’ e ‘macaco’, e que saiu dizendo que ia mandá-lo para o inferno logo, logo”.

O suspeito, por sua vez, deu uma versão diferente. Ele relatou que os ânimos se exaltaram quando soube que não havia troco para R$ 100 e que o funcionário o chamou de “aleijado”, por ter problemas nos dedos. O homem negou que tenha feito ameaças ou ofensas raciais.

O caso foi registrado na Delegacia de Plantão do Barreiro. Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o suspeito deu entrada no Centro de Remanejamento Provisório (Ceresp) de Belo Horizonte na manhã desta terça-feira.

Em nota, o ViaShopping Barreiro informou que “lamenta imensamente a injúria racial e homofóbica sofrida por um dos colaboradores de seus lojistas na última segunda-feira, 23, e reitera que tais comportamentos são inadmissíveis e sempre serão combatidos”.

O shopping também disse que está à disposição para colaborar com o andamento do caso.

O G1 entrou em contato com o Burger King, mas não havia obtido retorno até a última atualização desta reportagem.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui