CoronaVac: tire dez dúvidas sobre a vacina contra Covid-19 que deve chegar a BH

0
Coronavac está sendo produzida em São Paulo

O governo João Doria (PSDB) espera apresentar no próximo dia 23, às vésperas do Natal, os resultados do estudo da fase 3 da Coronavac, vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e que será produzida no Brasil em parceria com o Instituto Butantan, na zona oeste de São Paulo.

Com a divulgação dos resultados, o governo paulista espera pressionar a Anisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a aprovar a vacina ainda neste ano. No último dia 7, Doria apresentou um plano de vacinação com a Coronavac em São Paulo, a partir de 25 de janeiro, mesmo ainda sem a aprovação da vacina pela autoridade sanitária brasileira.

Segundo o plano do governo do estado, a partir de 25 de janeiro serão aplicadas as primeiras doses da vacina a trabalhadores da saúde, indígenas e quilombolas.

A partir de 8 de fevereiro, receberão a primeira dose idosos com 75 anos ou mais, em uma escala decrescente até chegar às pessoas com 60 anos, a partir de 1º de março.

Segundo o instituto, ainda é preciso aguardar os resultados dos estudos para responder a muitas dúvidas de quem está ansioso para receber doses da vacina contra o novo coronavírus. Mas outras podem ser solucionadas antes mesmo da aprovação.

Entre as inúmeras questões já esclarecidas, quem já foi infectado pelo novo coronavírus não será proibido de tomar a Coronavac, conforme explicou o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, caso ela seja aprovada e inserida em um plano de vacinação em São Paulo.

Tire dez dúvidas sobre a vacina Coronavac

1) Quanto tempo é necessário após a vacinação para uma pessoa ser considerar protegida?
A aplicação da Coronavac ocorre em duas doses, sendo a segunda entre 14 e 28 dias após a aplicação da primeira.

2) Quem já teve Covid-19 poderá tomar vacina?
Sim, segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, pois muitas pessoas nem sequer tiveram um diagnóstico para confirmar se foram contaminados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, em março.

3) Quem não deve tomar vacina? Pessoas com algum tipo de alergia devem evitar a imunização?
De acordo com o Butantan, o uso da vacina só não é recomendado para pessoas que passam por terapias imunossupressoras (que reduz a eficiência do sistema imunológico), como quimioterapia antineoplásica, radioterapia, imunossupressores para induzir tolerância a transplantes, corticoides por uso prolongado, entre outros, uma vez que isso pode afetar a resposta imune à vacina.

4) Gestantes podem tomar a vacina?
Ainda não está prevista a disponibilização da vacina às gestantes e menores de 18 anos, porque no momento não há indicação de uso no estudo de fase 3, segundo disse na segunda-feira (14) João Gabbardo dos Reis, coordenador-executivo do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo.

5) Quem tem sintomas da Covid-19 ou febre poderá ser vacinado?
Em geral, qualquer vacinação sempre é adiada em pessoas que têm febre, como no caso dos sintomas da Covid-19, ou alguma doença aguda. Portanto, é preciso esperar eles passarem.

6) A vacina será aplicada no braço?
Sim.

7) A vacina pode ser armazenada em geladeiras normais de postos de saúde?
O material fica em ambiente refrigerado em temperaturas de 2ºC a 8ºC.

8) Quem for vacinado ainda poderá transmitir a doença?
De acordo com o Butantã, vacinas de Covid-19, em geral, estão desenhadas para proteger contra a doença. Portanto, existe a possibilidade de uma pessoa vacinada ser infectada e transmitir a infecção, mesmo sem ter sintomas. A duração da proteção de nenhuma vacina é conhecida neste momento, diz. Entre técnicos do instituto, porém, a expectativa é de que a vacina atinja alto grau de eficácia, semelhante a outro imunizante chinês que também usa como vetor o vírus inativo, feito pela Sinopharm. Nos Emirados Árabes Unidos, estudo preliminar de fase 3 mostrou 86�eficácia. Se a vacina tiver 50�cobertura, já pode ser usada, segundo as regras da Anvisa.

9) Quais reações as pessoas podem ter e quanto tempo depois da vacinação?
Segundo o Butantan, as reações mais comuns entre os voluntários após a primeira dose foram dor no local da aplicação e dor de cabeça. “Não há nenhum relato de reação adversa grave à vacina até o momento”, diz o instituto.

10) A Coronavac estará disponível em clínicas particulares? Quando?
Neste momento, o Instituto Butantan está trabalhando para atender ao SUS (Sistema Único de Saúde) com a vacina contra a Covid-19. As clínicas particulares acreditam que só deverão disponibilizar vacinas contra o novo coronavírus no fim de 2021 ou apenas em 2022.

Produção da vacina

A fábrica do Butantan para produção da Coronavac ocupa uma área produtiva de 1.880 m⊃2; na zona oeste de São Paulo e conta com 245 profissionais. Segundo o governo Doria, 120 funcionários serão contratados para reforçar a linha da vacina contra o coronavírus.

O Butantan também prevê a construção de uma área nova para envase.

De acordo com o instituto, o local atualmente tem seis máquinas principais para envase do extrato composto da vacina enviado pela Sinovac, além de rotulagem e embalagem.

Para produzir a vacina na capacidade máxima de um milhão de doses por dia, a fábrica entrou em operação no último dia 10 para operar 24 horas por dia. “Até janeiro, 40 milhões de doses da vacina deverão ser produzidos no local”, diz o instituto.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui