A angústia de parentes na busca por desaparecidos em rios ou no mar

0

Rio de Janeiro – Desde agosto do ano passado, pelo menos 12 pessoas desapareceram no mar ou em rios no estado do Rio de Janeiro. Em alguns casos, o sofrimento segue ativo e alimentado pela esperança de achar a vítima, uma vez que as buscas não resultaram no encontro de corpos.

O caso mais recente é o do pescador John Randson Sena Ribeiro, que sumiu após uma colisão entre duas embarcações no canal ao lado da Ilha da Conceição, no Rio, na noite do último dia 3/1. Até a publicação desta reportagem, o rapaz ainda não havia sido encontrado.

Desde novembro, quando um avião bimotor com seu filho caiu no litoral, em Paraty, no sul do estado, Ana Regina Agostinho, de 43 anos, se mudou da capital fluminense para a cidade, onde acompanhou as buscas dos militares, já encerradas. Desde dezembro, ela promove financiamentos coletivos para continuar a procura pelo filho, o copiloto da aeronave, José Porfírio de Brito Júnior, 20 anos.


0

“Continuo firme no local da queda. Esperança é meu nome agora. Minha fé segue inabalável. Enfrentamos problemas como o encerramento oficial das buscas, a falta de ajuda das Forças Armadas, a briga pela jurisdição para definirem de onde sairia o socorro, o que demorou sete horas para acontecer. Mesmo assim, sigo confiante, acreditando, com fé”, desabafa Ana Regina, em entrevista ao Metrópoles.

A mesma fé manteve de pé e deu coragem a Marcela Lopes, mãe do menino Lucas Richardesson Lopes Gonçalves, 13, que morreu em dezembro, após mergulhar no Rio Botas, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, durante um temporal que acelerou a correnteza e carregou o rapaz.

“O corpo dele só foi encontrado três dias depois, já em decomposição, no trecho do rio que corta a cidade de Belford Roxo (também na Baixada). Só com muita fé eu consegui mobilizar a ajuda que conseguimos para encontrar ele. Mesmo tendo reconhecido o corpo do meu filho, até hoje eu penso que ainda posso encontrar ele brincando na rua, soltando pipa, vivo”, diz, emocionada. “Imagino a dor de quem nem o corpo encontrou. Sou solidária a essas pessoas e digo: sem esperança a gente morre mais.”

Marcela lembra ainda que a solidariedade de quem está por perto também é fundamental para enfrentar os obstáculos ou ajudar a confortar durante o luto. “Em dezembro, dia 28, seria aniversário do Lucas. Um produtor de pipas nosso vizinho resolveu fazer uma homenagem e distribuiu mil peças para crianças da região. Promoveu um festival para o meu filho, como presente de aniversário. Alivia o coração”, diz.

O Metrópoles solicitou ao Corpo de Bombeiros e ao Primeiro Distrito Naval da Marinha os dados sobre operações de busca e salvamento no litoral fluminense, mas os dados não foram informados até o fechamento desta reportagem.

O post A angústia de parentes na busca por desaparecidos em rios ou no mar apareceu primeiro em Metrópoles.