Como fica a educação técnica e profissional com o Novo Ensino Médio?

0

O ano de 2022 chega com mudanças importantes no cenário da Educação no Brasil. A partir do primeiro semestre letivo, as diretrizes curriculares começam a se adaptar ao “Novo Ensino Médio”. As escolas devem reformular a grade de disciplinas aos poucos, começando com alunos do 1º ano e seguindo até o final de 2024, quando todos os estudantes devem estar com os novos conteúdos.

Alguns dos pontos principais das mudanças são o aumento da carga horária e a inclusão de disciplinas voltadas ao interesse dos estudantes. Essa última novidade chega para já começar a direcionar os alunos para uma profissão, modelo que lembra o que acontece com os cursos técnicos e de ensino profissional.

Mas como fica, afinal, a educação técnica e profissional com o Novo Ensino Médio? Algumas dúvidas surgem para quem já pretende sair do 3º ano com um diploma de técnico e traçando uma nova profissão. A seguir, você entende o que existe e o que é novo quando as mudanças começarem.

O que é ensino técnico e profissional?

O ensino técnico e profissional é uma modalidade de formação muito popular no Brasil. A procura por esse tipo de curso se dá, justamente, porque as aulas começam a direcionar o aluno para uma carreira.

Ao final do curso, a formação técnica já abre portas para o mercado de trabalho. Por ser de nível médio, o curso pode ser feito logo cedo, durante o Ensino Médio, o que atrai muitos alunos buscando os primeiros empregos.

Saiba mais: Como é a rotina de um estudante de curso técnico

O que muda com o Novo Ensino Médio?

O Novo Ensino Médio trará mudanças importantes em sua estrutura. Como já foi citado anteriormente, a carga horária será ampliada: de 2.400 horas de aula, os estudantes vão ter 3.000 horas de aulas (totalizando 1.000 horas por ano de ensino).

Essa carga horária total será dividida em duas etapas principais. A primeira é o Ensino Médio tradicional, que terá duração total de 1.800 horas divididas em três anos. Nessa fase, os estudantes vão aprender sobre as disciplinas organizadas de acordo com as categorias cobradas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem):

  • Linguagens e suas tecnologias;
  • Matemática e suas tecnologias;
  • Ciências da natureza e suas tecnologias;
  • Ciências humanas e sociais aplicadas e formação técnica e profissional.

Nas outras 1.200 horas formativas restantes é onde estará a maior mudança. Nesses conteúdos, as escolas vão preparar itinerários formativos para os estudantes, segmentados em áreas específicas. A ideia é já dar a primeira visão direta das diferentes áreas profissionais e carreiras no mercado de trabalho.

Assim, os itinerários formativos terão uma organização mais flexível, em que os estudantes poderão escolher focar em áreas do conhecimento específicas, pensando nos seus interesses de formação.

“Segundo o Ministério da Educação (MEC), “A mudança tem como objetivos garantir a oferta de educação de qualidade à todos os jovens brasileiros e de aproximar as escolas à realidade dos estudantes de hoje, considerando as novas demandas e complexidades do mundo do trabalho e da vida em sociedade.”

Como funcionam os itinerários formativos?

As escolas podem oferecer cinco itinerários formativos, sendo os quatro seguindo padrões obrigatórios das disciplinas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), já citados acima. O outro seria de formação técnica e profissional, de acordo com os planos de ensino de cada rede.

Os alunos poderão se aprofundar nessas áreas de acordo com os seus próprios interesses e possibilidades que a própria escola oferece. Assim, o MEC aponta que as aulas dos itinerários formativos terão conteúdos dentro de disciplinas, projetos, oficinas, núcleos de estudo e outras situações de trabalho, pensadas no desenvolvimento profissional.

Como fica, então, a educação técnica e profissional com o Novo Ensino Médio?

A formação profissional e técnica continuará sendo mais uma opção para os estudantes que tiverem frequentando o Ensino Médio ou pretendem ingressar em cursos técnicos e profissionalizantes. Os alunos poderão escolher por fazer essa formação cumprindo a carga horária regular do Novo Ensino Médio.

Assim, depois dos três anos letivos, os estudantes terão certificados de Ensino Médio e o diploma de nível técnico ou profissionalizantes.

Bolsa de estudos em cursos técnicos

Se você pretende ingressar em um curso técnico, a Quero Bolsa oferece bolsas de estudo de até 80% para essa formação em escolas e instituições localizadas em todo o país. Independente de qual seja a sua área de interesse, é possível começar a estudar de forma simples, rápida e, claro, pagando menos nas mensalidades.

Quer ver como o processo para garantir uma bolsa de estudos é simples? O primeiro passo é acessar o site da Quero Bolsa e selecionar o curso e cidade onde você pretende estudar. Depois, basta escolher uma das opções disponíveis. Para concluir, você precisa fazer o cadastro no site e finalizar o processo de acordo com cada instituição.

Feito isso, a bolsa já é sua. Durante a pesquisa, também é possível filtrar por modalidade de ensino (presencial ou a distância), duração do curso e área do conhecimento para chegar até a formação que tem o seu perfil.

O post Como fica a educação técnica e profissional com o Novo Ensino Médio? apareceu primeiro em Metrópoles.