Obra em igreja destruída por tempestade no Guará é irregular, diz GDF

0

A obra destruída pela ventania que atingiu a Igreja Adventista do Sétimo Dia (Iasd) na QE 17 do Guará II está irregular, segundo a Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal (DF Legal). Na tarde desse domingo (18/9), paredes da construção foram derrubadas pela tempestade com rajadas de vento.

Em nota, o DF Legal informou que o proprietário foi multado e teve a obra parcialmente embargada. Ele também foi notificado a apresentar licenciamento da obra e do canteiro de obras, bem como laudo técnico contendo informações acerca dos riscos e das recomendações para sanar as possíveis ameaças na estrutura da construção.

“Comunicamos também que as vistorias realizadas pelo DF Legal ocorrem mediante denúncia ou fato relevante da fiscalização”, diz a pasta.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Igreja Adventista, mas a entidade religiosa não havia se manifestado até a última atualização desta reportagem. O espaço segue aberto.

“Fragilidades”

Na manhã desta segunda-feira (19/9), pedreiros trabalhavam na construção na Igreja Adventista para reparar os estragos causados pela chuva. O Metrópoles tentou falar com trabalhadores e técnicos que estavam no local, mas os profissionais informaram que o responsável pela obra estaria viajando e não conversaram com a reportagem. Moradores da região acreditam que a construção demonstrava fragilidades.

“Passo sempre por aqui com o meu cachorro e acompanhei essa obra subindo. A gente olhava e pensava que parecia ter algo errado, aparentava ser um pouco frágil”, comenta o empresário Mozart Clemente da Silva Junior, 47 anos. De acordo com ele, a construção tem cerca de quatro meses.


Publicidade do parceiro Metrópoles 1


Publicidade do parceiro Metrópoles 2


0

O morador Marcos dos Santos, 49, que trabalha em obras há 20 anos, também questiona a sustentação das paredes. “Aparenta não ter viga essa parede. Se der um vento, essa que ainda está em pé pode cair, pois está toda rachada”, alertou.

O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) foi acionado para o local por volta das 17h nesse domingo. Quando a equipe chegou ao local, constatou que havia ocorrido o desabamento de duas paredes — da frente e da lateral — da edificação em construção.

Após análise da situação, a Defesa Civil decidiu evacuar a casa que fica atrás da obra e interditar a escola ao lado até que a parede que apresenta risco de queda seja demolida.

Veja como ficou a obra após o temporal:

O militar da reserva Silvio Seabra, 59, mora na residência atrás do colégio Adventista, escola que fica ao lado da igreja. Ele conta que ouviu o barulho da queda da estrutura nesse domingo.

“Pensei que fosse telha caindo. Aí, minha irmã recebeu mensagem de uma vizinha e contou que era a igreja. Foi um estrondo”, comenta.

“Foi uma chuva muito forte. O povo estava comentando que nunca tinha visto tanto vento. Sorte que não caiu essa parede de trás e que ninguém se machucou”, completa o morador do Guará.

Vistoria

Em nota, a Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil (SUDEC), vinculada à Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF), informou que uma equipe realizou vistoria na igreja e constatou que a laje do primeiro pavimento não apresenta fissuras ou deformações em elementos estruturais. No entanto, o local foi interditado e seguirá isolado até a realização da retirada e demolição da parede, e a elaboração de laudo técnico circunstanciado que ateste a segurança da edificação

“Também deverá ser apresentado à SUDEC o Alvará de Construção da Obra e a mitigação dos riscos. A escola ao lado foi notificada e segue isolada até que o risco de desabamento seja mitigado”, informou a pasta.

“Uma casa ao lado também está isolada, devido ao risco de desabamento de uma parede da obra da igreja, que apresenta risco aos moradores. O local seguirá interditado até que a parede seja retirada e/ou a demolição da parede”, finaliza a nota.

O post Obra em igreja destruída por tempestade no Guará é irregular, diz GDF apareceu primeiro em Metrópoles.