Vereadora de Pará de Minas tem mandato cassado por quebra de decoro parlamentar

0

Por 13 votos favoráveis e quatro contrários, a vereadora de Pará de Minas, Márcia Flávia Marzagão Albano (PSDB), teve o mandato cassado por quebra de decoro parlamentar. A votação ocorreu na terça-feira (29).

Segundo a Câmara, a denúncia foi protocolada pelo vereador Márcio Lara (PSD) em agosto deste ano. As informações contidas no documento apontam que Márcia Marzagão teria usado o plenário da Câmara e as redes sociais para atacar os demais vereadores.

Após a denúncia, foi nomeada, no dia 29 de agosto, a Comissão Especial Processante e, em seguida, foi instaurada então a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que foi finalizada na terça-feira com a cassação da parlamentar.

Denúncia
O responsável pela denúncia, Márcio Lara, declarou na ocasião que a parlamentar é responsável por disseminar notícias falsas sobre os trabalhos da Câmara.

Ele ainda afirmou que Márcia Marzagão apontou desrespeito às filas do Sistema Único de Saúde (SUS) por parte de parlamentares, uso indevido da máquina pública e descumprimento de horários por parte de colaboradores com cargos comissionados.

Márcio Lara não foi encontrado pela reportagem em seu gabinete para comentar o assunto.

Justiça acionada
Ao g1, Márcia Mazargão alegou que já acionou a Justiça com pedido de mandado de segurança contra a decisão. Além disso, segundo ela, partido PSDB se posicionou por contrário à cassação por não haver motivos.

A reportagem entrou em contato com o presidente do partido, Everton Marinho de Paiva, para confirmar o posicionamento, mas não obteve retorno até a última atualização do texto.

“Sou a única vereadora de oposição. Inclusive, na Câmara, onde já fiz várias denúncias contra vereadores, há algum tempo já haviam me ameaçado, que se eu continuasse com as denúncias eles iam cassar meu mandato. Trata-se de uma perseguição política que sou vítima desde que comecei como parlamentar. Fizeram um processo bem manipulado com falas minhas na tribuna e redes sociais para embasar a cassação”, destacou.

“ Inclusive usaram uma fala minha que sempre uso, que é: ”Vou matar os leões e desviar das antas’. É uma figura de linguagem que eu uso a vida inteira e que utilizaram para dizer que eu afrontava e ofendia os vereadores chamando-os de antas”, disse.

O processo com pedido de mandado de segurança segue em trâmite e enquanto isso, a parlamentar segue com mandato cassado.

Deixe um Comentário

Deixe um comentário
Digite seu nome aqui