Boate Kiss: série mostra que a tragédia gaúcha é um retrato do Brasil

0

O jornalista Marcelo Canellas não esconde sua relação próxima com Santa Maria (RS). Logo nos primeiros minutos da série documental “Boate Kiss — A Tragédia de Santa Maria”, que estreia nesta quinta-feira (26/1) no Globoplay, ele apresenta sua história com a cidade.

Nascido em Passo Fundo (RS), Canellas é diretor da produção e santa-mariense de coração. Ainda bebê, se mudou com a família para Santa Maria, onde passou da infância ao começo da vida adulta.

Essa proximidade com a cidade, na qual ainda tem família e muitos amigos, o fez recusar a proposta de seu editor, à época, de cobrir o incêndio na boate Kiss que matou 242 jovens na madrugada de 27 de janeiro de 2013.

“Eu sabia que ter um distanciamento seria impossível. Mas o meu medo era doer demais”, conta em entrevista ao Metrópoles. “Afinal, é a minha cidade e eu conhecia várias famílias que perderam seus filhos no incêndio.”

A recusa, entretanto, durou apenas três dias. Naquela mesma semana, interrompeu as férias e embarcou para Santa Maria para fazer a primeira de muitas reportagens sobre o caso.

Dos filhos de Santa Maria

A produção é assinada por santa-marienses. A ideia veio do coletivo de audiovisual de Santa Maria, TV OVO, que o jornalista já conhecia de longa data. “Quando foi marcado o julgamento dos réus do caso da boate Kiss, eles me procuraram para realizarmos um documentário”, lembra Canellas. “Levei a ideia para o Globoplay. A direção topou, mas sugeriu fazer uma série documental de cinco episódios.”

O coletivo tem um projeto de preservação da memória da cidade. Eles acompanham desde o princípio a formação da Associação de Vítimas da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), composta por pais das vítimas e sobreviventes.

Após a primeira reportagem sobre o incêndio na boate, Canellas continuou a batalhar por pautas, no Fantástico, sobre o desdobramento do caso durante esses 10 anos. Logo, a equipe sabia muito bem onde estava pisando e como abordar o tema.

Passado do presente

A produção anda várias casas para trás para ilustrar ao espectador o ambiente da tragédia. Além de imagens de arquivos sobre a última reforma feita na boate, a série apresenta um gráfico ilustrativo sobre como era o ambiente. A partir dessas informações, entende-se o labirinto que o espaço se tornou no desespero de encontrar a saída para fugir do fogo.

A produção ainda viaja um pouco mais no tempo e lembra o incêndio na boate Cromagnon, de Buenos Aires, que deixou 194 mortos, em 2004. “Parece um manual do que aconteceria em Santa Maria nove anos depois” ressalta Canellas.


Publicidade do parceiro Metrópoles 1


Publicidade do parceiro Metrópoles 2


0

O incêndio aconteceu devido a fogos de artifício lançados dentro da casa noturna por integrantes da banda Callejeros. A porta das saídas de emergência estavam trancadas e o espaço, com lotação acima da permitida. A diferença entre o caso brasileiro e o argentino foi a condução da Justiça.

Em Buenos Aires, 15 pessoas foram condenadas, incluindo o dono da boate, integrantes da banda e funcionários públicos. O então prefeito de Buenos Aires, Aníbal Ibarra, foi afastado do cargo por ser considerado responsável politicamente pela tragédia.

“Nós não aprendemos nada com eles e muito menos agimos como eles depois do acidente”, destaca. Em Santa Maria, foram acusadas apenas quatro pessoas — os sócios da boate e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira. Nenhum agente público foi indiciado.

A Antígona gaúcha

Assim como a série ficcional da Netflix “Todo dia a mesma noite”, a produção do Globoplay “Boate Kiss — A Tragédia de Santa Maria” foca nas histórias dos pais e dos sobreviventes, trazendo histórias comoventes.

Por exemplo, o silêncio interrompido de Gabriel Barros, sobrevivente que foi morar ao lado da Kiss e passou anos sem querer falar sobre o caso. Ou a mudança de Sérgio da Silva, pai de uma das vítimas e o primeiro presidente da Associação de Vítimas, que decidiu sair de Santa Maria porque sentia um clima hostil na cidade com o caso.

A batalha de Gabriel, Silvio e tantos outros por justiça lembra a história de Antígona, de Sófocles, que arriscou sua própria vida para enterrar seu irmão Polinice, contestando a decisão do rei Creonte de deixar o corpo ao léu sem um funeral digno.

“Eu notei muito claramente a mudança de humor da cidade”, afirma Canellas, lembrando que sentiu o clima de solidariedade que havia logo apos o incêndio diminuir.

“A população começou a cansar e a achar que as famílias estão atrapalhando ‘a volta à vida normal’. No meu ponto de vista, esse sentimento contaminou as estruturas do estado. A própria Justiça cansou e passou a protelar.”

História sem fim

A ideia inicial dos idealizadores da produção era que o julgamento, marcado para o fim de 2021, fosse o desfecho da série. Oito meses depois, em 2022, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) anulou o júri que condenou os quatro réus do caso da boate Kiss. O documentário ficou sem o seu fim programado.

“Tenho para mim que não se trata apenas da história da boate Kiss. É um retrato de como o Estado e a sociedade brasileira lidam com tragédias dessa dimensão. Uma opção pelo esquecimento, pelo silenciamento e pela acomodação dos responsáveis por cima. Ou seja, isso não podia ser mais a cara do Brasil”, resume.

A ausência da conclusão esperada virou um alerta para uma história que não pode ser esquecida. O maior exemplo de que Santa Maria e o Brasil precisam enfrentar seus traumas de frente vem da força dos pais e dos sobreviventes que não cansam de lutar, à revelia de amigos, vizinhos e da Justiça brasileira.

“A grande potência da série vem da voz dos sobreviventes e dos familiares. É quando aflora toda a humanidade que existe nessa história absolutamente universal”, destaca o jornalista. “Uma tragédia que trata da condição humana e de como os homens e as mulheres lidam com o seu sofrimento.”

The post Boate Kiss: série mostra que a tragédia gaúcha é um retrato do Brasil first appeared on Metrópoles.