Múcio: ex-ajudante de ordens de Bolsonaro não será “condenado por especulação”

0

Após reunião com o presidente em exercício, Geraldo Alckmin (PSB), no Palácio do Planalto, na manhã desta terça-feira (24/1), o ministro da Defesa, José Múcio, afirmou que o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), não será “condenado por especulação”.

Durante entrevista à GloboNews, o ministro detalhou que teve dificuldade para tratar sobre Cid. Além de um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de envolvimento no vazamento de informações sigilosas, o militar aparece como  “guardião” da família Bolsonaro em suposto esquema de repasse de valores em espécie.

“Eu estava com dificuldade de tratar deste assunto no comando do Exército, muita dificuldade. Há um espírito de corpo muito forte, há um ambiente político muito forte”, salientou Múcio.

O ministro também revelou que as suspeitas levantadas pela reportagem do colunista do Metrópoles Rodrigo Rangel foram tema de uma conversa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda na sexta-feira (20/1).

“Primeiro, a gente precisa ter acesso a isso [a provas dos repasses]. O presidente [Lula] foi o primeiro a dizer: ‘Olha, essa história de condenar só por condenar, eu já fui vítima disso. Vamos averiguar o que é que tem’. Precisa ver ao que nós vamos ter acesso nesse inquérito, ou nessas denúncias, porque não tem nem inquérito”, declarou.

Múcio ainda completou, dizendo que o novo comandante do Exército Brasileiro, Tomás Miguel Ribeiro Paiva, nomeado por Lula no domingo, solicitou para tomar as rédeas da situação de Cid. “O general Tomás pediu para que ele tomasse a frente disso para dizer o que é que vai fazer, mas que tomará as providências e que combinará comigo e com o presidente”, pontuou.

O chefe da Defesa confirmou que a conivência do ex-comandante do Exército Júlio César de Arruda com Cid foi um dos pontos que pesou na demissão dele. Ele foi nomeado comandante do Primeiro Batalhão de Ações de Comandos, em Goiânia (GO), mas ainda não assumiu, em virtude das acusações.

Troca nos comandos

No sábado (21/1), o presidente Lula decidiu trocar o comando do Exército Brasileiro. O general Júlio César de Arruda foi exonerado do posto e substituído pelo general Tomás Miguel Ribeiro Paiva.

Em coletiva de imprensa, ainda no sábado, Múcio afirmou que a mudança no comando do Exército ocorreu por conta de uma “fratura no nível de confiança” entre o Exército e o poder Executivo na esteira dos recentes acontecimentos.

Em agenda na Argentina desde domingo (22/1), Lula comentou, na segunda-feira (23/1), a troca no comando da força armada.

“Eu escolhi um comandante do Exército que não foi possível dar certo, e escolhi outro comandante. Tive uma boa conversa com o novo comandante, e ele pensa exatamente com tudo que tenho falado sobre a questão das Forças Armadas. As Forças Armadas não servem a um político, ela não existe para servir um político”, destacou o petista.

The post Múcio: ex-ajudante de ordens de Bolsonaro não será “condenado por especulação” first appeared on Metrópoles.